Zona livre de Papai Noel

E para comemorar esta data comercial tão importante, segue um poeminha ruim que escrevi faz uma década e em seguida um ótimo cartaz de natal do Nicolas Gass.

Barulho na Telha!

Ouvi o ruído na telha
E chamei forte o meu marido
Ele correu, e atirou. Nem ouvi o alarido
Mas o desgraçado rapidinho se escondeu
Procuramos a noite toda
Em vão, não havia mais nada na telha, além de algum sangue
Dormi com um olho no barulho e o outro no compromisso do outro dia
Acordei mastigando nada na boca, parecia uma vaca
Fui para a cozinha e lá estava meu marido em pranto, precisava de uma maca!
— Lembra o barulho na telha?
Lembrava e não entedia, mas onde diabos estava nosso filho?
— Lembra do rastro de sangue?
— Deus, a chaminé!!
— Neste Natal não teremos lareira nem nosso filho…

carte-postale-verso
via: ng graphics.

Zona livre de Papai NoelLembrando também que estou aderindo à campanha da cidade alemã Fluorn-Winzeln e declarando este blog “Zona livre de Papai Noel”, como diz o selo ao lado. O problema é que os alemães têm o São Nicolau para substituir o Noel e nem isso nós temos por aqui.

Ainda no espírico crítico-natalino, confira mais cartazes de Nicolas Gass no playlife. E nos velhos tempos, Noel vendia cigarros e dava rifles de presente!

Seleção de atores

A TIRO NO PÉ PRODUÇÕES está selecionando ator e atriz para o curta-metragem PURA, a ser realizado entre os meses de outubro e novembro de 2008, em Florianópolis-SC.

Os interessados em conhecer a proposta do filme e em participar do processo de seleção podem obter informações no site da Tiro no Pé Produções.

Confira a sinopse do filme:

O destino ou o acaso põe de encontro duas realidades distintas numa relação marcada pela ruína. De um lado, Otávio, um homem de família, quiçá um profissional de respeito, envolvido em uma vida secreta e perigosa – a marginalidade e o vício. Do outro lado, Pura, uma jovem cuja trajetória é marcada pela perda da inocência, advinda da promessa de um futuro melhor, que desde cedo se esvai, esmagado por uma realidade cruel. Nesse encontro, raiva, violência e amor podem não ser tão distintos e o que parece estar perdido talvez possa ser encontrado na busca por uma essência que seja, de alguma forma, pura.