Evidências de Franklin Cascaes

No último dia 16 de outubro foi comemorado o centenário de nascimento de Franklin Cascaes e lembrei dum causo que ocorreu comigo em 1999, enquanto fazia parte do conselho editorial da revista Poité e fui encarrego de colocar os números anteriores da revista na rede. Meu trabalho era digitalizá-las; aplicar o OCR; revisar e publicar no antigo site da Poité. Decidimos que apenas alguns artigos seriam publicados na rede, entre eles um sobre Franklin Cascaes intitulado O conflito entre o ingênuo e o realismo fantástico na obra de Franklin Cascaes – uma primeira visão, por Evandro André de Souza. Naquela época os programas de OCR ainda eram muito antiquados e o resultado final não ficava muito bom. Assim, quando o programa tentou interpretar a legenda da segunda imagem do artigo, a frase “Viagem bruxólica à Índia” acabou se transformando em “Vingom braxólkcu k fndiu”. Fiquei intrigado com aquela combinação de caracteres, e registrei-a em um bloco de notas. Continuei o trabalho e esqueci da anotação. Alguns dias depois, revisando minhas anotações, encontrei aquela estranha frase e não consegui lembrar de imediato do que se tratava. Foi então que tive a idéia para o conto Evidências, que publiquei aqui no Bruxismo algum tempo atrás, onde conto a história da autópsia do Vingom. Mais tarde, em 2005, em parceria com o quadrinhista E. C. Nickel, Evidências foi adaptado para os quadrinhos junto com mais alguns de meus contos em um álbum de pouco mais de 50 páginas. Não sei se o conto ou a HQ têm alguma relação com a obra de Franlkin Cascaes, mas sem dúvida, não existiriam sem este incidente.

O universo de Franklin Cascaes

Ontem fui na Casa da Memória, no Centro de Florianópolis, no lançamento do livro 13 CASCAES, coletânea de contos que inclui Adolfo Boos Jr., Amilcar Neves, Eglê Malheiros, Fábio Brüggemann, Flávio José Cardozo, Jair Francisco Hamms, Júlio de Queiroz, Maria de Lourdes Krieger, Olsen Jr., Péricles Prade, Raul Caldas Filho, Salim Miguel e Silveira de Souza, com depoimento de Peninha e ilustrações de Tércio da Gama.

Este é o primeiro título da Fundação Franklin Cascaes Publicações. Em todos os contos, Franklin Cascaes aparece de alguma forma, conduzindo o leitor através de uma Ilha de Florianópolis mística, habitada por crenças açorianas e principalmente bruxas. A qualidade gráfica da publicação é impecável! Em papel couche, com uma cuidadosa diagramação e ilustrações de Tércio da Gama e algumas do próprio Franklin Cascaes.

Evidências

Um dedoFaz duas horas que estou dando pela falta de algo no meu campo visual, logo acima da calculadora, sobre minha mesa de trabalho. Não consigo dar-me pela coisa. O que era? Não é do meu feitio falar sobre meus objetos perdidos, até mesmo porque isso não ocorre com freqüência, mas esse caso me chama a atenção em especial, porque tenho uma anotação referente a ele em meu bloco: “Vingom braxólkcu k fndiu”, apenas isso. Como sei que essa anotação se refere à coisa perdida e não sei o que é a coisa perdida? A resposta me parece óbvia. Organizo minha mesa de trabalho de forma metódica, avaliando a milimétrica distância entre os objetos. Às vezes, quando tenho algo sobre a mesa que merece algum comentário, eu o faço no bloco de notas que fica sempre no extremo superior esquerdo da mesa. Lembro-me que o objeto perdido foi o último colocado sobre ela, recebendo uma descrição no bloco. É horrível perder algo e procurá-lo freneticamente. Pior ainda é procurar sem saber se tem ou não importância. Torna-se perturbador quando vejo essa anotação em uma língua que nem ao menos conheço. Anotação essa feita pelo meu próprio punho. Mas a verdadeira razão pela qual escrevo este testemunho não é o objeto perdido, o incidente foi apenas um catalisador para que eu folhasse o bloco de anotações e verificasse que havia um pequeno inseto esmagado entre as folhas quadradas. Um pequeno inseto de asas transparentes, talvez assassinado. Desde já me isento de crime preterdoloso, mesmo porque não tinha a mínima idéia de que havia um cadáver na mesa. Algo me diz que alguém desovou o cadáver em minha ausência. Para provar essa tese terei que fazer uma necropsia ainda essa noite, e se não for muito exigente de minha parte chamarei duas testemunhas que assinarão o documento por mim redigido quando chegar à causa mortis da criatura. Batizei o morto de Vingom, rindo-me por batizar um morto. Chamei Ramus, um engenheiro civil, e Lobato, prefeito aposentado, para serem as testemunhas. Servi um modesto jantar antes da necropsia para deixar mais à vontade os convidados. No meio da janta, Ramus e Lobato começaram a lembrar nosso tempo de criança, quando brincávamos e pululávamos pela rua, sem compromisso com nada nem com ninguém. “E a Ana Maria, lembra dela? Aquela coisinha fofa.” Lobato olhou-o um pouco nervoso: “Ei, olha o que vai falar, Ramus, não esqueça que hoje ela é minha mulher!” “É verdade, quem diria, depois de passar pela mão do pessoal todo da rua ela foi virar sua mulher, o mundo dá voltas mesmo, e as vagabundas sempre encontram quem as sustente!” Lobato pulou por cima da mesa e agarrou o pescoço de Ramus, fazendo-o esganiçar palavras ininteligíveis enquanto caíam os dois no chão. De súbito, Ramus sacou uma pistola que tinha presa em um suporte na perna direita e desferiu um tiro na cabeça de seu algoz. Pedaços da cabeça de Lobato voaram por toda a sala, vindos do buraco feito pela bala. Espantei-me com a potência daquela pistola, que abrira um rombo na cabeça de meu amigo. Mal tive tempo de me recuperar, quando vi um novo esguicho de sangue e miolos provenientes da cabeça de Ramus, que desferia um tiro em sua própria boca. Vejam, a vida dá voltas. Eu estava desgraçado agora. Meus amigos, meus dois únicos amigos no mundo haviam me traído! No momento em que eu mais precisava deles para serem testemunhas de minha inocência no “Caso Vingom” eles me deixam, e como se não bastasse sujam toda a sala de jantar, que eu havia forrado com um papel de parede italiano lindo. Para quem eu mandaria a conta? Por mais amigos que eles me foram em vida eu nunca poderia deixar passar uma afronta desse tipo. Lembrei então do Rex, fazia um semana que eu não lhe dava comida, castigo por ter mijado no sofá vermelho da varanda. Chamei-o para uma limpeza rápida na sala de jantar enquanto punha em prática meus planos: a necropsia.

Relatório de Necropsia:
1. Quanto aos métodos adotados: O presente relatório não está atrelado a regras de qualquer tipo, tendo em vista que o necropsiador em questão não é profissional.
2. Quanto à descrição da criatura conhecida como Vingom: A criatura em estudo apresenta o corpo dividido em cefalotórax e abdome, com seis pares de apêndices representados pelas quelíceras, palpos e quatro pares de patas, e desprovido de antenas. Através da análise chegou-se à conclusão de que é um artrópode, do sub-ramo Bizarriforme.
3. Quanto à causa mortis: Descobriu-se que o ser Vingom possuía uma inflamação intersticial crônica no fígado, além disso a associação de lesões dos hepatócitos, desenvolvimento excessivo de tecido conjuntivo e formação de nódulos de regeneração caracterizam uma possível cirrose hepática. O quadro avançado da doença não deixa dúvidas de que Vingom foi derrotado pelo fígado.

Também não foi assassinato, mas de qualquer forma teimo em dizer que alguém colocou o Vingom em meu bloco, até mesmo porque debilitado como ele estava, nunca poderia ter se escondido ali. Chegando à sala, qual não foi minha surpresa ao ver Rex sorrindo de pança cheia! Ele não só comeu todos os miolos e lambeu todo o sangue de Ramus e Lobato que havia nas paredes, mas, além disso, comeu seus corpos, com osso e tudo. No chão apenas um dedo anular com uma aliança de casamento. A princípio achei que Rex queria fazer uma chacota comigo, deixando o dedo de meu amigo, depois me lembrei de um tratamento de canal que havia feito em meu cão anos atrás. O dentista preencheu a “panela” que tinha no seu molar cariado com um amálgama que provocava choques em Rex cada vez que ele mordia algo de metal. Diferença de potencial! Foi a única coisa que o dentista disse antes de Rex mostrar-lhe a força de sua mordida. Peguei o dedo de Lobato e o corpo do Vingom, coloquei-os em uma caixa de fósforos, embrulhei com papel verde e colei com fita adesiva transparente. Agora, sentado em minha velha poltrona de couro cru de vaca holandesa eu recordo as últimas horas, o quão monótonas foram. No fundo tive um saldo positivo, pois Rex fez todo o trabalho pesado por mim, e eu pude aprender um pouco mais sobre a fisiologia dos artrópodes. Mas algumas coisas ainda continuam sem solução: “Quem colocou o corpo do Vingom entre as folhas de meu bloco de anotações quadrado? Onde coloco a caixa de fósforos embrulhada com papel verde? E o que diabos eu perdi da minha mesa que não recordo mais?”