Capítulo trinta e cinco

A coleção de meu pai não era grande, mas, em compensação, era curiosa; e, por conseguinte, ele levou algum tempo a reuni-la; tivera, porém, muitíssima sorte e começara bem, ao conseguir quase de graça o prólogo de Bruscambille acerca de narizes compridos,—visto ter pago por ele apenas três coroas e meia, e isso porque o livreiro percebeu o entusiasmo de meu pai pelo livro desde o momento em que este lhe deitou mão.—Não existem mais do que três Bruscambilles em toda a Cristandade, —disse o livreiro, com exceção daqueles que estão bem acorrentados nas bibliotecas dos curiosos. Meu pai atirou o dinheiro sobre o balcão com a rapidez de um raio,—e, apertando o Bruscambille contra o peito, dirigiu-se à pressa para casa, de Picadilly até a rua Coleman, como se levasse consigo um tesouro, sem desgrudar a mão do Bruscambille uma única vez que fosse, durante todo o trajeto.

Um comentário sobre “Capítulo trinta e cinco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *